A maternidade é um momento mágico para toda mulher. Os primeiros momentos, a mudança no corpo, sentidos, dentre diversas outras alterações que ocorrem. Nesse caminho, cuidar do físico e da mente é essencial. E para as mulheres que tem na corrida sua principal atividade, ainda existe uma dúvida muito grande sobre esse tema: Afinal, gestante pode correr?

Antes de responder essa questão, é importante reforçar que a atividade física é fundamental nessa etapa, desde que liberada pelo médico. Se manter ativa ajuda a criar um ambiente mais saudável ao bebê, evitando ganhos exagerados de peso, redução do cansaço e melhor alimentação.

Mas e a corrida? Será que ela é a melhor atividade? Gestante pode correr? Confira agora os principais cuidados e também restrições.

 

Gestante pode correr? Verifique com seu médico 

Como mencionamos antes, a liberação médica é fundamental para manter a prática da corrida. Cada mulher, ao engravidar, apresenta reações diferentes, seja na disposição, no humor, e principalmente na parte física.

Muitas gestantes, mesmo super ativas, ficam mais cansadas que outras. E essa condição pode afetar o desenvolvimento do bebê, caso não seja acompanhada adequadamente.

Por isso, antes de qualquer dúvida sobre a manutenção ou não da corrida, verifique com seu médico a continuidade da prática.

 

Atenção redobrada nas primeiras 12 semanas 

Com a liberação médica em mãos, basta manter a rotina atual de treinos, correto? De forma alguma! As primeiras 12 semanas da gestação são cruciais, pois o feto se encontra em formação inicial e, por isso, muito vulnerável a fatores de desgaste da gestante.

Atividades intensas, de impacto, ou de longa duração, devem ser evitadas. Elas podem ser as preferidas, mas não são prioridade frente a uma gestação com menor risco, não é mesmo?

 

Reduza a intensidade e distância dos treinos 

Muitas corredoras, com a chegada da gestação, se preocupam em manter a condição física adquirida na corrida. Manter um corpo saudável e ativo é muito importante, mas ajustes são fundamentais.

Realizar treinos de intensidade muito alta pode reduzir o fluxo sanguíneo para o feto, comprometendo seu desenvolvimento. Distâncias muito longas também podem levar a gestação a um grande desgaste e cansaço. Com isso, tonturas e enjoos podem surgir em função do menor fluxo de oxigênio e sangue para o cérebro.

Não podemos esquecer que nessa etapa o bebê exige uma quantidade muito maior de nutrientes. Isso compromete o volume de sangue circulante para os exercícios físicos.

Por isso, reduza não apenas as distâncias, como a intensidade dos seus treinos. Corridas mais curtas e leves irão garantir a manutenção de sua condição física e a segurança do feto.

 

Evite subidas e descidas durante o treino de corrida 

Além de ajustar a distância e intensidade, devem-se tomar cuidados também na variação altimétrica do treinamento de corrida. Correr em subida pode elevar muito o nível de desgaste do corpo, além de sobrecarregar em excesso a região lombar.

Da mesma forma, a descida também não pode ser subestimada, pois a posição da barriga a frente muda o centro de gravidade da gestante. Isso pode refletir no equilíbrio e ocasionar inclusive quedas.

 

Não se descuide da parte alimentar 

Durante a gestação, a maior parte de seus nutrientes terá como foco principal o feto. Por isso, o cansaço precoce é um sintoma muito presente durante toda gestação e, como tal, também deve ser bem observado.

O suporte de um (a) nutricionista nesse cenário é de suma importância. Com apoio específico e especializado, a rotina alimentar será ajustada para fornecer os nutrientes para seu bebê e a energia para seus treinos. Tudo isso de forma equilibrada e saudável.

 

Gestante pode correr? Ouça seu corpo 

Sabemos o quanto a disciplina é um fator essencial para obter resultados em seu treinamento de corrida. Mas para a gestante, resultados físicos devem ser secundários em prol de sua saúde e do feto. 

Durante a gestação, o corpo da mulher irá responder melhor em alguns dias. Em outros, o cansaço ou a indisposição pode tomar conta. Saiba respeitar esses períodos e descanse quando seu corpo pedir. Não podemos esquecer que o turbilhão de hormônios não irá respeitar sua rotina de treinamento, não é mesmo? 

Conclusão 

A corrida pode ser realizada pela gestante, desde que esteja liberada pelo médico e que, por precaução, somente após a 12ª semana. As intensidades devem ser sempre leves a moderadas e com períodos que evitem mais que 60 minutos de corrida, evitando o desgaste excessivo.

Nesse processo, ouvir o seu corpo e se alimentar de forma adequada, fazendo ajustes no cardápio para dias com ou sem treino de corrida, também é um ponto muito importante.

 

E você, gostou da matéria? Acha que gestante pode correr ou não? Confira mais dicas sobre treinamento e alimentação em nosso blog e também um pouco mais do trabalho da Pacefit Assessoria Esportiva.

Compartilhe com um parceiro de corrida!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Você pode gostar também

Cadastre-se e receba dicas do mundo da corrida

Deixe seu comentário

Treinamento de corrida

Baixe grátis nossos materiais